TOP 10

10) PRAIA DE BOA VIAGEM:

Praia que é beleza pura, já dizia Caetano Veloso, em sua célebre canção. Quilômetros de arrecifes e piscinas naturais, brisa que vem do azul do mar e beija a areia fina. Ao colorido dos biquínis se mesclam corpos dourados, que fazem a festa dos banhistas, simples mortais que buscam em Boa Viagem a razão do viver. Litoral badalado e urbano de uma Recife invejável, cortada de rios e de pontes como cantava Cayme. Além de tudo um lugar chique, prédios belíssimos, calçadão pra longas caminhadas, pista de cooper, coqueiros, gramíneas, quiosques, água de côco. Desejar mais o quê? Nesse local indescritível o turista encontra os melhores hotéis, pousadas, bares, restaurantes, fast food, lojas, bancos, vida noturna e, de resto, o Shopping Recife, o maior da América Latina. É o cerne da visita, uma das praias mais bonitas do mundo.
* Sugestão de passeio: City Tour Recife e Olinda.


09) RECIFE ANTIGO:

O conjunto arquitetônico merece o crédito de quem o visita. É o Recife de outrora, antigo centro da bela capital pernambucana. Tudo na ilha faz parte da época em que andar de bonde, transportar em barcaças ou viajar de vapor, era comum, corriqueiro. O Forte do Brum (1629), onde fica o Museu Militar, foi estrategicamente construído para guarnecer o porto da cidade. Paço Alfândega (1732), belíssimo, shopping de muito bom gosto, outrora um convento e, depois, a alfândega. Igreja da Madre de Deus (1679), importante na cultura, na arte e na história. Curiosidade: única igreja católica do Recife Antigo. Marco Zero, pátio aberto para o cais do porto, local de grandes apresentações culturais, tendo em frente, no píer de arrecifes, os totens de Brennand. Há ainda a Rua do Bom Jesus, Torre Malakkof, Rua da Moeda, Teatro Apolo e outros tantos locais lúdicos e turísticos.
* Sugestão de passeio: City Tour Recife e Olinda.


08) PRAÇA DA REPÚBLICA:

O visitante que chega pela primeira vez ao Recife, certamente fará um City Tour à Praça da República, na Ilha Antônio Vaz. Ali vai ver uma belíssima "entourage" de edificações históricas. Palácio do Campo das Princesas, sede do governo, debruçado sobre as águas dos rios Capibaribe e Beberibe, que naquele ponto se encontram, formando um imenso e belo espelho de água, cartão postal da cidade. Teatro Santa Isabel, símbolo do passado culto e de glória da megalópole de hoje, a capital de Pernambuco. Palácio da Justiça, imponente construção em estilo eclético do arquiteto italiano Giácomo Palumbo, com a cúpula mais alta do país (45 m), pinturas de Murillo La Greca e vitrais de Heinrich Moser. Liceu de Artes e Ofício, em estilo classicista imperial, inspirado no neoclassicismo francês, tem grande valor histórico, cultural e arquitetônico.
* Sugestão de passeio: City Tour Recife e Olinda.


07) CAPELA DOURADA:

Todos os espaços do teto, da parede e dos altares da Capela Dourada formam uma exuberante talha de madeira, coberta de ouro, em estilo barroco (séc. XVII). A capela, da Ordem Franciscana, está inserida no complexo de construções que incluem a Igreja e o Convento de Santo Antônio. No nicho central da capela-mor, fica um enorme crucifixo, ladeado por outros dois nichos com imagens de Santos Cosme e Damião, tudo entalhado por Antônio Martins Santiago (1679) e dourado por Manoel de Jesus Pinto (1799). Impressionam os altares menores laterais, onde se sobressaem o Cristo Atado à Coluna, a imagem de Santa Isabel e um Senhor dos Passos incrustado de rubis, tamanho natural. Todas as pinturas do séc. XVII são de autoria de José Pinhão de Matos, e aquelas do XVIII de João Vital Correia. As mais apreciadas são duas, de grandes proporções, retratando aprisionamento e morte de mártires franciscanos. Quase duas dezenas de painéis cuidam das virtudes, como Esperança, Constância, Fé e Caridade.
* Sugestão de passeio: City Tour Recife e Olinda.


06) PÁTIO DE SÃO PEDRO:

O visitante quando se dá conta, tem diante dos olhos, em meio à efervescência urbana do Recife, a Igreja de São Pedro dos Clérigos (1728) e o casario setecentista que o cerca: o Pátio de São Pedro. O que dizer do traçado deste pátio, tão especial e peculiar na maneira de ser, que chama para si, o direito de preservar à igreja. O espaço serve de lenitivo, para quem foge do burburinho sufocante do centro. É o largo formado por inúmeras construções gentis, que abraçam o forasteiro neófito, mal costumado a paz na tribulação. Sim, bares e restaurantes sem maiores pretensões, mas extremamente acolhedores, no trato com quem chega. Sempre uma programação que prima pelo turismo cultural, que surpreende a cada visita, com referências também históricas, artísticas e sentimentais. O pátio é uma vitrine da arte e da cultura do Recife, lugar onde se fundem dança, boêmia, música, crença, festas, enfim, tudo.
* Sugestão de passeio: City Tour Recife e Olinda.


05) OFICINA BRENNAND:

Ao turista interessa muito mais a obra propriamente dita do escultor, ceramista e pintor Brennand, que seu currículo, sua história. Dito isto, vem a pergunta: Como acessar este acervo in loco? Simples. Agendar uma visita à Oficina Brennand, antiga olaria da família (1917), transformada em surpreendente arquitetura, que abriga a atual galeria/atelier do artista. A Oficina e as esculturas são um fenômeno harmônico. Beleza impactante que deixa qualquer ser humano orgulhoso de ser o que é... apenas humano. Não tente entender. São formas fálicas, troncos pubianos, pernas para o ar, pássaros estranhos, cerâmica pujante, formas rechonchudas, argila cozida, vitrificada. Veja você, confira.
* Sugestão de passeio: Tour Brennand.


04) PASSEIO DE CATAMARAN:

Barco simples, percurso tranquilo, Recife visto do rio. Pouco mais de uma hora, e haja beleza. Saída das Cinco Pontas, Cais do Porto, Marco Zero, Bolsa de Valores, Esculturas de Brennand, Ponte Giratória, Paço Alfândega, Ponte Maurício de Nassau, Ponte Buarque Macedo, Praça da República, Palácio Campo das Princesas, Teatro Santa Isabel, Instituto Pernambucano, Assembléia Legislativa e Rua da Aurora. O guia vai explicando, o tempo vai passando, na memória do turista fica a imagem da cidade exótica, singular, única nesse país gigante pela própria natureza. Afora Recife, metrópole alguma é tão entrecortada de rios e de pontes, se dá ao luxo de ser chamada Veneza Brasileira, por pouco não é holandesa. Passeio lindo, obrigatório, imperdível.
* Sugestão de passeio: Tour de catamaran.


03) MERCADO SÃO JOSÉ:

Olhando pelo prisma da arquitetura clássica em ferro (séc. XIX), a edificação é um raro monumento nacional. Pouco se conhecia sobre construção pré-fabricada no país, quando exportaram a estrutura metálica da França, Inglaterra e Portugal. Projeto de Louis Lieuthier, engenheiro da Câmara Municipal do Recife, espelhado no mercado de Grenelle em Paris, e construção do francês Louis Vauthier, executor do Teatro Santa Isabel. Mas o visitante quer saber sobre os seiscentos boxes do mercado, os oitenta compartimentos externos, o mundo de lojas na entourage, no entorno do mesmo. Ponto de atração turística, o melhor do artesanato está no Mercado de São José. Também comidas típicas, ervas medicinais, cordel, cultos afro-brasileiros, um sem número de artigos e bugigangas.


02) CASA DA CULTURA:

Quando se visita a Torre de Londres ou La Bastille em Paris, não se busca a beleza do lugar nem das edificações, mas suas conotações históricas, político-sociais. Assim é a Casa da Cultura. Antiga casa de detenção de Pernambuco, como era chamada, construída para esse fim, hoje é um dos centros culturais e de artesanato mais badalados do mundo. O prédio é gigantesco, com escadarias íngremes e corrimões em madeira, tudo explicitamente voltado para o adro interno, facilitando uma fantástica visão aberta dos três pavimentos e seus saguões, chamados inteligentemente de raios ( norte, sul e leste), por assim ser a disposição em cruz do prédio A Casa da Cultura abriga cento e cinquenta lojas de artesanato, restaurante, lanchonetes, praça de alimentação,área para shows e manifestações populares.
* Sugestão de passeio: City Tour Recife e Olinda.


01) INSTITUTO BRENNAND:

Primo do escultor de mesmo sobrenome, o empresário criador do instituto, durante anos colecionou objetos e obras de arte das mais diferentes procedências nacional e estrangeira. O acervo tomou tal proporção, que para preservar e expor essas peças, o industrial criou uma fundação cultural. Em 2002 foi inaugurado o então Instituto Ricardo Brennand. Estilo Tudor, com elementos decorativos originais (altar gótico, ponte levadiça e relevos de brasões). Em volta do castelo, um imenso parque com lagos artificiais, abriga réplicas enormes de esculturas de Rodin (O Pensador), Michelangelo (David) e Fernando Botero (A dama e o cavalo), entre outras. O conjunto abranje Museu de Armaria, Pinacoteca, Biblioteca, Auditório e áreas para os visitantes. Muito completo na documentação histórica e geográfica da Ocupação Holandesa no Nordeste. Maior coleção de quadros de Franz Post, abrangendo quinze peças de todas as fases do extraordinário paisagista holandês.
* Sugestão de passeio: Instituto Ricado Brennand.